Terça-feira, 19 de Fevereiro de 2013

Qualquer dia, nenhum governante quererá passar por este papel e as aparições públicas serão uma miragem, por causa de alguma gente que não se sabe comportar. O exemplo que aqui vemos elucida-nos como uma brincadeira para aparecer nos telejornais, facilmente resvala para o insulto gratuito e para a má-educação. Sou suspeito de gostar de Miguel Relvas, mas reconheço que ele aqui esteve bem, reagindo como devia reagir e enfrentado sem receio gente que ali estava apenas para instilar a ofensa e sujeitá-lo a uma humilhação pública.
Mas os que, em coro, entoaram o “Grândola Vila Morena”, deviam perceber a verdadeira mensagem daquilo que cantarolaram. No fundo, Miguel Relvas é representante de um governo legítimo e eleito pela maioria dos portugueses porque é, sem tirar nem pôr, “o povo quem mais ordena”.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 16:03 | link do post | comentar

Publius Cornelius Tacitus
To ravage, to slaughter, to usurp under false titles, they call empire; and where they made a desert, they call it peace.
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

Os incêndios que matam pe...

A síndrome socialista

Soltar os cães

Um argumento

Regressando

Um papel

A cartilha

Prometeu

Um ou dois milagres

Uma nomeação

arquivos

Outubro 2017

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Maio 2015

Abril 2015

Setembro 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

tags

anáfora

antonomásia

benevolentes

blanchett

bloco

cate

charme

dench

djisselbloem

eufemismo

eurogrupo

guerra

gwyneth

helen

jonathan

judi

littell

metáfora

mirren

paltrow

perífrase

porto

prosopeia

renda

sela

socialismo

twitter

ward

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds