Quarta-feira, 16 de Outubro de 2013

 

Há qualquer coisa neste momento de televisão que não me deixa indiferente porque este final de quinta série de Mad Men é um instante sublime como poucos vi em televisão.
Começa com Nancy Sinatra em som de fundo e o que se vê ali é qualquer coisa de espantoso: Peggy a deitar-se na cama sozinha depois de observar dois cães na rua a copular; Roger completamente nu e de braços estendidos à janela como se desafiasse o mundo; Peter a ouvir música em casa de olhos fechados; Donald sentado num bar, preso nos seus pensamentos, a fumar e a beber (altura em que este pequeno vídeo se inicia porque não consegui a cena toda).
E depois, de repente, vem a pergunta fatal, quando ela menos se espera, vinda de uma completa estranha: “Are you alone?”. Donald, demora-se uns segundos, antes de lançar um olhar tão enigmático como revelador. E nós, que assistimos, ficamos imediatamente a saber a resposta àquela pergunta.
Naquele fim, neste final, não é só Donald que está só em todos as suas interpretações. É também Peggy, Roger e Peter, personagens que dão todo o sentido aos dramas interiores que vivem e à vida que escolheram marcada, porventura, por um processo de acelerada decadência. E a pergunta assassina, tal como a resposta silenciosa, leva-nos bem fundo a esta nossa condição humana. “Are you alone?” Quantos de nós não estão efectivamente sozinhos?



publicado por Bruno Miguel Macedo às 13:07 | link do post | comentar

Publius Cornelius Tacitus
To ravage, to slaughter, to usurp under false titles, they call empire; and where they made a desert, they call it peace.
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

Os incêndios que matam pe...

A síndrome socialista

Soltar os cães

Um argumento

Regressando

Um papel

A cartilha

Prometeu

Um ou dois milagres

Uma nomeação

arquivos

Outubro 2017

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Maio 2015

Abril 2015

Setembro 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

tags

anáfora

antonomásia

benevolentes

blanchett

bloco

cate

charme

dench

djisselbloem

eufemismo

eurogrupo

guerra

gwyneth

helen

jonathan

judi

littell

metáfora

mirren

paltrow

perífrase

porto

prosopeia

renda

sela

socialismo

twitter

ward

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds