Segunda-feira, 31 de Outubro de 2011

Se a vida, às vezes, é feita das coisas muito simples, aproveitemos então bem o feriado que aí vem, enquanto o governo não o arrebata ou o assaca para outras calendas. Bom feriado.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 18:33 | link do post | comentar

E hoje é um daqueles dias verdadeiramente especiais para a Humanidade: chega aos 7 mil milhões de indivíduos e demonstra que é um projecto biológico de sucesso. Falta-nos ainda muito bom senso e humildade, como aliás frequentemente se vê, e falta-nos ainda sermos todos melhores pessoas, para que se evitem certos comportamentos imorais e certas imbecilidades que já chateiam. Não importa agora o sítio que marca o acontecimento ou o sexo do bebé. Mas bem-vindo. Ou bem-vinda. Tanto faz.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 11:36 | link do post | comentar

Sexta-feira, 28 de Outubro de 2011

 

Um tipo vê-se e deseja-se para encontrar as palavras certas. Muitas vezes, não consegue porque bloqueia e não sabe bem como expressar um estado de alma, um sentimento, uma preocupação, uma necessidade. Mas tenta. E vai tentando. E volta a tentar de novo. As palavras não saem, a escrita não flui e o bloqueio intensifica-se porque os nervos só complicam. Fica então a olhar perdido para o monitor que não responde nem dá luta e tudo misturado dá uma violenta barafunda. Mas depois chega uma espécie de luz e o tipo lembra-se dos mestres. E assim, rouba-lhes a criatividade, rouba-lhes o pensamento. Ou pede-lhes simplesmente emprestado ainda que sem lhes pedir licença. E foi assim que Roth me ajudou, sem ele saber. E o mestre diz: “You put too much stock in human intelligence, it doesn't annihilate human nature.”. Bom fim-de-semana.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 18:03 | link do post | comentar

Presumo que o senhor não tem a mínima noção da realidade. Presumo ainda que o senhor não tem a mínima noção do ridículo em que anda. E presumo, finalmente, que o senhor ainda não entendeu que é melhor assobiar para o lado e fingir que não é nada com ele.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 17:02 | link do post | comentar

O Dr. Passos Coelho devia ter mais consideração pelos portugueses e evitar fazer longe o que devia fazer perto. Porque ir ao Brasil visitar a D. Dilma e aproveitar para ir dizendo que os funcionários públicos afinal podem ficar sem subsídios para além de 2013, demonstra pouca sensibilidade e um certo grau de deslealdade. O episódio, que foi imediatamente aproveitado pelo Dr. Relvas – que se propôs comparar-nos com a Noruega, Holanda e Inglaterra (!!!) – merece claro repúdio e indignação. No espírito dos tempos que correm, razão têm os que se dedicam à decifração da linguagem política: o que é provisório passa rapidamente a definitivo, na tal novilíngua orwelliana de que Pacheco Pereira fala. E, como se vê, sem precisar de grande período de incubação. É urgente então que comecemos todos a perceber do assunto. Para nem ser preciso fingir que ainda ficamos surpreendidos.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 10:15 | link do post | comentar

Quinta-feira, 27 de Outubro de 2011

Sentença Orwelliana: Todos os animais são iguais, mas alguns são mais iguais do que outros.

Sentença centrista-popular (madeirense): Todos os deputados são iguais, mas alguns são mais iguais do que outros.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 16:09 | link do post | comentar

 

Nós reconhecemos a necessidade da democracia nesses Estados, normalmente repressivos. Mas e se a democracia conduzir a uma teocracia islâmica ou a qualquer situação do género? Esta não é uma preocupação quimérica. Nos quatro cantos do mundo, vários regimes democraticamente eleitos, muitas vezes, ou que foram reeleitos ou confirmados através de referendos, ignoram constantemente os limites constitucionais do seu poder e privam os seus cidadãos de direitos fundamentais. Este fenómeno perturbante – visível do Peru aos territórios da Palestina, do Gana à Venezuela – designamo-lo por democracia iliberal.” Fareed Zakaria, O Futuro da Liberdade, p.15



publicado por Bruno Miguel Macedo às 16:06 | link do post | comentar

Quarta-feira, 26 de Outubro de 2011

A revolução prometia o mundo e os revolucionários não hesitaram em dar tudo. O indígena – rico, pobre ou remediado – adorou. A vida seguiu a exigir. O que antes era uma miragem tornou-se direito natural. A democracia avalizou então um Estado organizado, omnipresente e altruísta. Mas depois vieram mais exigências e mais direitos. Para todos. Ninguém podia ficar de fora. Um dia chegou a conta. Quem paga a conta?



publicado por Bruno Miguel Macedo às 17:47 | link do post | comentar | ver comentários (1)

 

O Dr. Paulo Campos, outrora secretário de Estado, foi a uma comissão negar o que toda a gente sabe e conhece e comprovar que o socialismo tem um problema qualquer com a realidade. Num outro prisma, o PS do Dr. Seguro, inefável na sua corrida rumo à sua própria obliteração, descobriu uma qualquer ilegalidade no orçamento por faltar um documento que tem que ver com as grandes opções do Plano, mas deixou uma decisão sobre o mesmo (o Orçamento) para o próximo dia 11, altura em que o mesmo Dr. Seguro pretende reunir os amigos e apaniguados, numa comissão política, para decidir acompanhado aquilo que ele, pelos vistos, ainda não conseguiu analisar sozinho. Entretanto o Dr. Portas esteve momentaneamente em Portugal para, numa comissão, cumprimentar efusivamente o Sr. José Manuel Rodrigues, líder regional do seu partido na Madeira e participar numa farsa combinada entre eles que metia inclusive uma espécie de "confronto". A coisa não se fica por aqui, porque ainda falta o Dr. Louçã que mantém elevada a bitola populista que o caracteriza e que não se cansa de ameaçar com a luta contra o governo e as suas medidas e de bradar contra o capitalismo que, curiosamente, o sustenta e o eleva. Mais para o fim do dia ficou reservado o melhor, já que o Conselho de Estado (um importante órgão consultivo, dizem) se reuniu para apelar, depois de seis intensas horas, a um “diálogo construtivo” (?!) entre os portugueses e as suas instituições. A vida, para os restantes e não envolvidos nestes e noutros assuntos, deve seguir dentro de momentos. Mas convém não esperar nenhuma aberta pela manhã e, pelos vistos como promete a meteorologia, nem para o fim da tarde. O país está debaixo de temporal. Com a Europa solenemente parada e à beira do caos (a nossa única e talvez verdadeira esperança), nada como viver habitualmente. O último que feche a porta. Devagar, por favor.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 10:53 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Nenhum governo gosta de impor medidas draconianas. Nenhum governo gosta de fazer males absurdos. E nenhum governo prefere ser impopular a ser popular. Pensemos nas coisas nestes termos, enquanto se espera que o purgatório que vamos atravessar seja um meio para uma saída graciosa e não um fim igual ao esforço da criança que Santo Agostinho viu à beira-mar a tentar esvaziar o mar com uma concha: escusado e inútil.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 10:17 | link do post | comentar

Terça-feira, 25 de Outubro de 2011

Toda a acção tem uma reacção. E, no caso em apreço, sintomática dos tempos que passam.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 12:05 | link do post | comentar

 

Não vale a pena dar publicidade a uma coisa que não merece um único comentário já que a imaginação – e a idiotia também – humana continua a voar por aí sem limites visíveis de bom senso ou bom gosto. O Sr. Rodrigues dos Santos merece continuar a perseguir o título de mais vendido do país porque só isso o preenche, mas já não merece a publicidade bolorenta feita apenas com o intuito de vender e promover. A bem da verdade, nunca li nada do senhor. Nunca precisei e espero nunca sentir nenhuma espécie de atracção pelo género. Os enredos apresentados são sempre, ou excessivamente pretensiosos ou penosamente vazios, o que é igual. E com dezenas de livros, literalmente dezenas, em espera e a precisar da minha atenção, não conto perder um único serão embrenhado em teorias abstrusas envoltas em boas encadernações mas de conteúdo duvidoso. Contudo, espero que toda a gente perceba que os livros do Sr. Santos são iguais aos livros do Sr. Dan Brown: servem para divertir a malta e não são para serem levados a sério.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 11:43 | link do post | comentar | ver comentários (10)

O artigo de opinião de Gonçalo Maia Camelo sobre o CINM publicado na edição de sábado do DN local devia ser de leitura obrigatória. Entendê-lo é meio passo para sair-se do analfabetismo e perceber o que verdadeiramente está em causa neste assunto. Assim, e provavelmente, evitar-se-ia o circo à volta do tema e o lançamento caucionado de um livro onde pontifica uma manifesta ignorância. Mais claro, é difícil.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 10:50 | link do post | comentar

Segunda-feira, 24 de Outubro de 2011

Quando os nossos líderes moldam os seus comportamentos à vontade da multidão em delírio persecutório (que vê ali um bando de criminosos a necessitar de um correctivo, como por aí abundantemente se vê), coarctando os seus próprios direitos, em prol do júbilo dos justicialistas e para gáudio da massa extasiada, entramos numa espiral da qual só muito dificilmente se poderá sair. Mas fomos todos avisados. Ora se fomos.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 12:17 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Sexta-feira, 21 de Outubro de 2011

As medidas austeras para os próximos anos não auguram coisa boa para a depauperada economia portuguesa, sujeita a uma pressão externa sem precedentes e a variadas anomalias internas. Mas antes que se veja em Portugal uma nova Grécia, convém separar o trigo do joio e dizer que os portugueses não são iguais aos gregos e que estavam, e ainda bem, longe do regabofe instituído nas terras do nosso berço civilizacional. Há coisa de três anos, a Irlanda, outrora um suposto tigre asiático na Europa, anunciou medidas semelhantes, cortando na altura, por exemplo, 10% dos ordenados dos funcionários públicos, situação tida como inacreditável e contraproducente, mas necessária para conter um défice crónico. Três anos depois, a Irlanda apresta-se a regressar ao crescimento económico depois de corrigidos alguns dos seus defeitos de fabrico e em aparente harmonia social. Olhemos então para a Irlanda e não para a Grécia. Porque é melhor ver a esperança de um bom exemplo do que a desgraça de um péssimo.

 

Publicado originalmente aqui.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 09:43 | link do post | comentar

 

Leio o último livro de Philip Roth (Némesis, da D. Quixote, título cujo significado daria pano para mangas), um regresso a uma fase recente muito existencialista. Talvez a idade já avançada do autor explique este fascínio com a morte e com a procura de respostas sobre questões que desde o início dos tempos o homem coloca a si mesmo: Qual é o sentido da vida? Qual é a justiça dos homens e dos seus deuses? O que fazemos aqui? Porque é que Deus castiga os indefesos? Porque é que Deus leva as nossas crianças em doenças estúpidas? (O que, no caso em apreço, tem que ver com um bairro judeu de Newark assolado, em 1944, por uma epidemia de poliomielite) Há algo ali que perturba. Que me perturba como poucas coisas na vida. Por mais voltas que dê, fico sempre com mais dúvidas do que com certezas. E as palavras escorreitas juntas em frases de uma beleza fria tocam no âmago das minhas próprias interrogações existenciais que, de tempos a tempos, me depredam um pouco preparado espírito, deixando-me abalado, ao mesmo tempo que me deixam triste porque há naquela estética literária algo de maravilhoso mas igualmente de desesperante. De cada vez que leio um Roth assim, digo a mim próprio que é o último que leio e que o abandono de vez, logo a ele que é só o meu escritor favorito. Mas o problema é que ele regressa sempre e torna-se um vício de que não me consigo libertar. Há grandeza naquelas palavras sábias porque só um grande escritor pode escrever assim. E hoje, se reflicto muito no assunto, sinto que podia enlouquecer porque ele tem o incrível dom de por vezes não me querer deixar adormecer. E é nessas alturas que olho à minha volta e sinto vontade de abraçar os meus. E de agradecer a Deus ter-me poupado, até agora, a tanto drama e pensar que tudo isto podia de facto ser bem pior.

 

Publicado originalmente aqui.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 09:42 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Quinta-feira, 20 de Outubro de 2011

Se o nosso problema está no lado da despesa pública, faz sentido que seja o sector do Estado, e não os privados, a carregar com a maior fatia dos cortes necessários. E numa situação de crise intensa, é melhor manter os empregos do que despedir pessoas. Mas dispensavam-se comentários pouco abonatórios para com os funcionários públicos, porque eles, no geral, não têm culpa da má gestão estatal. Embora paguem por ela.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 11:27 | link do post | comentar

Comemorar o quê e para quê continuam a ser boas questões às quais poucos respondem. Interessante como perdemos tempo a celebrar um regime cujo desfecho, em 2011, é o que se conhece. De uma vez por todas é tempo de mudar as coisas e acabar com certos dogmas que só repelem e atrasam. Este país, um incorrigível permanente por sinal, não se pode manter neste ocaso duradouro em que de crise em crise ninguém pensa numa solução estrutural e geracional para sair do maldito círculo vicioso que só nos afasta do bem-estar da civilização e se limita a pagar as contas deixadas por outros.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 10:55 | link do post | comentar

Quarta-feira, 19 de Outubro de 2011

 

A rua começa a movimentar-se. À frente os principais sindicatos, logo atrás seguem os partidos políticos que não conseguem viver ou sobreviver sem contestação. Estão no seu pleno direito: no pleno direito de se indignarem, no pleno direito de se manifestarem, no pleno direito de fazerem greve. Mas a vida precisa de continuar. E por agora, com um governo recentemente eleito e assente numa maioria parlamentar, mais vale procurar alternativas construtivas capazes de minimizar esta lixeira onde vamos entrar. Por certo, muitos vêem aqui um sentimento de desistência. Mas não é nada disso. É pensar que ou conseguimos dar mesmo a volta ao texto – trabalhando mais, poupando mais, sacrificando mais, exigindo menos – ou não vamos mesmo a lado nenhum. As alternativas a isto não são, penso eu, boas notícias. São quanto muito ainda piores notícias. E agora nada como esperar que o governo saiba ajustar as velas e levar esta enorme nau a bom porto. Mas que por acréscimo acabe com o fandango que por aí corre nos seus mais variados organismos e empresas. É o mínimo que se exige.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 17:11 | link do post | comentar

Terça-feira, 18 de Outubro de 2011

 

Certos personagens deviam abdicar de tecer comentários sobre a situação do país. Aliás, devia haver uma lei que proibisse certos políticos com antigas responsabilidades de “botar faladura”, como diz o brasileiro, sobre os assuntos domésticos. Por dois singelos motivos: por uma questão de boa educação – um primeiro e forte motivo – e – segundo motivo – por uma questão de vergonha na cara, como é o caso deste senhor cujo buraco legado é inversamente proporcional às saudades que temos dele. Esta gente não tem espelhos em casa?



publicado por Bruno Miguel Macedo às 16:45 | link do post | comentar

Publius Cornelius Tacitus
To ravage, to slaughter, to usurp under false titles, they call empire; and where they made a desert, they call it peace.
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

A síndrome socialista

Soltar os cães

Um argumento

Regressando

Um papel

A cartilha

Prometeu

Um ou dois milagres

Uma nomeação

Cresçam

arquivos

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Maio 2015

Abril 2015

Setembro 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

tags

anáfora

antonomásia

benevolentes

blanchett

bloco

cate

charme

dench

djisselbloem

eufemismo

eurogrupo

guerra

gwyneth

helen

jonathan

judi

littell

metáfora

mirren

paltrow

perífrase

porto

prosopeia

renda

sela

socialismo

twitter

ward

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds