Sexta-feira, 30 de Dezembro de 2011

“The happy life be these, I find.

The riches left, not got with pain

The fruitful ground,

The quiet mind.

The equal friend,

No grudge nor strife

No charge of rule nor governance.

Without disease, the healthful life.

Wisdom joined with simplicity.

The night discharged of all care.

The quiet mind."



publicado por Bruno Miguel Macedo às 10:59 | link do post | comentar

Quinta-feira, 29 de Dezembro de 2011

 

O Público informa-me que ontem fez 38 anos que o primeiro livrinho de cima foi publicado em França. O seu autor chama-se Alexandre Soljenitsine e foi um conhecido dissidente soviético que viveu, por experiência própria, o inferno do Gulag, os conhecidos campos de concentração soviéticos responsáveis por milhões de mortos. Mostrar o que os grandes escritores representam é fundamental. Mas mais fundamental ainda é todos percebermos que certos relatos entram-nos na espinha e provocam verdadeiros arrepios. Porque aquilo que ali está não é ficção. É a realidade nua a crua de variados infernos que o engenho e a maldade humana criaram na terra. E no dia em que deixarmos de ter memória, e preferirmos voltar a passar pelas experiências que afirmamos não querer nunca mais, então é sinal de que estamos prontos para nova carnificina.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 12:17 | link do post | comentar

t

 

Depois da arma secreta capaz de provocar terramotos, agora é a arma secreta capaz de provocar cancros nos líderes sul-americanos. A idiotia instituída é um céu sem qualquer limite e os limites da credulidade das pessoas um poço, muito provavelmente, sem qualquer fundo. Pena que ainda não haja armas secretas capazes de eliminarem à nascença balelas dignas da Twilight Zone e de demonstrarem inequivocamente o modo como alguns sobrevivem no lodo da propaganda política. Pior mesmo, é a "importância" que estas notícias têm e os seguidores cegos que as suportam e ampliam. O mundo deve mesmo acabar em breve.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 10:31 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quarta-feira, 28 de Dezembro de 2011

A RTP-Madeira não acha importante transmitir em directo a prova de São Silvestre. Contudo tem no ar um belíssimo programa de nome "Madeira Viva" que presumo sirva para encher variadíssimos chouriços, incluindo o chouriço de não ter a maçada de transmitir a prova rainha do atletismo regional. Sem dúvida, uma bela noção de serviço público.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 20:11 | link do post | comentar

 

A quadra tem servido para colocar leituras e gravações na box em dia. As séries de televisão são quase uma "praga" igual aos livros, se bem que os livros não sejam eliminados por falta de espaço e por um amor incondicional. Mas o dia, curto e com pouca disponibilidade, termina sempre com pelo menos três ou quatro horinhas repartidas por cada um dos vícios porque a minha sanidade mental assim o exige e tem um efeito disciplinador em mim. E hoje, não será excepção porque o homem é um animal de hábitos. O que não tem qualquer problema desde que sejam bons hábitos. Ou que sejam hábitos que não chateiem nem atormentem ninguém.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 17:20 | link do post | comentar

 

Num país onde as coisas raramente funcionam, notícias como esta não são estranhas e muito menos raras. Aliás, se há pormenor em que somos realmente bons é neste de abdicarmos rapidamente daquilo que antes era (ler medida do governo anterior) uma imagem de um Portugal moderno e europeu. Ainda que assente numa semi-fraude, não deve vir daqui grande mal ao mundo. Só que, no fundo, tudo isto representa mais dinheiro deitado fora e mais tempo inevitavelmente perdido. E quando assim é, temos legitimidade para perguntar porque é que se brinca desta forma com recursos cada vez mais escassos.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 16:49 | link do post | comentar

 

Não resta qualquer possibilidade de ainda tentar perceber os maquinistas da CP. De facto, a pouca-vergonha é tanta que a coisa já só endireita metendo esta gente na ordem e promovendo o despedimento unilateral de metade da trupe para que sirva de exemplo aos restantes. Isto assim não pode continuar. E se tivessem um mínimo de noção do ridículo, nem brincariam com os milhões que por aí andam, massacrados e sem dinheiro e que não têm estas regalias despropositadas e estes ordenados chorudos. Por certo, se estão descontentes, as coisas até são mais simples: vão-se embora e dêem o lugar a outros. Tudo se resolve.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 16:24 | link do post | comentar

 

Não sei se alguns têm a mínima noção da realidade em que vivemos e dos problemas que enfrentamos. De qualquer forma, alguma culpa terão no actual estado a que chegámos, não estivéssemos todos nós empedernidos a ouvir os grandes conselhos que ao longo dos anos nos conduziram ao panorama actual que, diga-se de passagem, não é extraordinário no bom sentido. De qualquer forma, apenas para dizer, que começo a ficar farto deste triste joguinho do fica ou sai do euro. Deixem-nos da mão. Porque já chega.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 16:16 | link do post | comentar

Sexta-feira, 23 de Dezembro de 2011

Novo conceito de grande penalidade: um defesa de um clube pequeno e um avançado de um clube grande correm atrás de uma bola e embrulham-se os dois com os braços e as pernas, na luta por chegar primeiro à bola. O primeiro, defesa de um clube pequeno, fica de pé e o segundo, o avançado de um clube grande, estatela-se na relva apesar de não existir motivo para falta. O árbitro assinala penalidade e expulsa o primeiro, o defesa do clube pequeno. O segundo, o avançado do clube grande, atira ao poste, mas deixa entretanto a outra equipa, a equipa pequena, a jogar com dez graças à peça de teatro que produziu, realizou e executou (ainda que mal, na primeira tentativa). Note-se que os comentadores da SportTV se esforçaram e fizeram de conta que nem viram o que se tinha passado. O final da peça resume-se aos três a zero finais e às meias-finais mais fáceis de que há memória. Parabéns ao senhor Artur Soares Dias, que demonstrou inequivocamente a mixórdia obscena que é a arbitragem portuguesa. Bom Natal.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 10:44 | link do post | comentar

Quinta-feira, 22 de Dezembro de 2011

Eis um comunicado do PCP em que este partido expressa as suas "condolências" ao povo norte-coreano pela morte do seu líder, Kim Jong-il ao mesmo tempo que lhe transmite a sua "solidariedade (...) perante as pressões, agressões e tentativas de desestabilização do imperialismo". É ainda possível ler que a República Popular Democrática da Coreia (?) tem todo o direito de "determinar o seu rumo próprio de desenvolvimento em condições de paz e não ingerência nos seus assuntos internos, e o objectivo da reunificação pacífica da nação coreana". O humor negro comunista é inigualável.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 13:05 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Terça-feira, 13 de Dezembro de 2011

Realce-se que o Ministro da educação está empenhado em regressar ao que interessa. O reforço dos tempos lectivos de disciplinas nucleares são uma boa notícia. O desaparecimento de algumas e inequívocas aberrações são outra boa notícia. Ainda que há mais de trinta anos se ande a brincar à educação, com sucessivas reformas e reformazinhas que nos trouxeram à tragédia em curso, esperemos que as coisas comecem finalmente a entrar nos eixos.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 11:20 | link do post | comentar

Talvez no dia em que se deixe de olhar para a questão ambiental como uma nova e totalitária ideologia as coisas se possam compor de uma forma assente em princípios comuns a todos. Porque o problema principal continua a ser o radicalismo de certas posições e a criação artificial de verdades absolutas que constantemente se revelam pouco fiáveis como um sem número de escândalos - Amazongate, Glacier Gate, Climate Gate - se encarregaram de comprovar. E assim não vamos lá.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 09:56 | link do post | comentar

Segunda-feira, 12 de Dezembro de 2011

Aquilo que parecia estupidamente simples para os ingleses – a rejeição total de novos tratados – é afinal mais complicado do que parece uma vez que o Vice-primeiro-ministro Nick Clegg, líder dos liberais democratas da coligação do governo, já veio afirmar em entrevista à BBC que os resultados da cimeira “colocam o Reino Unido em risco de ficar isolado e marginalizado no seio da União Europeia”. Talvez valha tudo para emparelhar os cordeiros enquanto se começa a transmitir à opinião pública que tudo isto não é mais do que uma questão de teimosia pessoal com graves consequências futuras. Mas há aqui qualquer coisa que não bate certo porque não parece verosímil que os dois partidos da coligação não tivessem conversado antes e durante a cimeira sobre as possibilidades em aberto. Fica, pelo menos, e em resumo, a demonstração brutal de que certas coligações só existem graças aos interesses estratégicos pontuais e efémeros que têm mais que ver com a sobrevivência política imediata do que com o verdadeiro interesse público. O Dr. Passos que aprenda gratuitamente esta importante lição.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 18:57 | link do post | comentar

Neste país, ou as coisas são feitas demasiado depressa, ou as coisas são feitas demasiado devagar. Não há meio termo, nem meia solução.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 15:46 | link do post | comentar

Terça-feira, 6 de Dezembro de 2011

A RTP/Madeira abandonou a meio da manhã o debate do Programa de Governo. Para fazer o quê, ou para substituí-lo pelo quê, não se sabe bem. Mas numa altura em que se fala em cortes e em reestruturações dentro da empresa, é muito peculiar esta reacção por parte dos seus responsáveis. Fica o momento que se consubstancia na prova inequívoca de que a RTP/Madeira, como se temia, serve para manifestamente muito pouco.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 11:47 | link do post | comentar

Segunda-feira, 5 de Dezembro de 2011

 

Anos e anos de paciência e de dedicação, fizeram de Mitrokhine um verdadeiro copista dos tempos medievais. E ele copiou muito, à mão como é óbvio, e com medo (porque não havia estes processos modernos e porque ele nunca se arriscaria a deixar vestígios), escondendo o que copiava debaixo do chão em casa e os originais debaixo da roupa, quando os retirava ou os voltava a meter no seu local de trabalho. Foram milhares de documentos ao longo de vários anos. Um dia, mais desiludido do que habitualmente, decidiu que já chegava e preparou com frieza a fuga para o Ocidente. Com ele levou o espólio, ou parte dele, porque outra parte já havia sido levado pelos serviços secretos britânicos. É talvez a maior fuga de informação secreta da história. E ajuda-nos a compreender melhor os processos internos e externos soviéticos, o modo de pensar dos seus principais líderes, os meandros burocráticos de uma sociedade totalitária e a própria Guerra Fria. Não se sabe o quanto e o quê ainda ficou por publicar. Mas o que aqui está tem significado (ainda que possa ser relativizado porque se baseia numa única fonte) e tem valor. Nem que seja pela imensa coragem necessária para levar a cabo esta extraordinária odisseia.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 17:28 | link do post | comentar

Ao renunciar ao seu ordenado de primeiro-ministro, o Sr. Monti revela 4 coisas: (1) que se julga moralmente superior ao comum mortal; (2) que tem uma necessidade absoluta de encontrar legitimidade onde sabe não ter nenhuma; (3) que a política afinal não é para todos e só pode ser exercida pela grandeza moral de alguns (uma espécie de casta) arrogantemente desprendidos das necessidades terrenas; (4) que a demagogia e o populismo barato não são exclusividade dos políticos. Agradeçamos ao Sr. Monti este momento quatro em um.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 12:27 | link do post | comentar

Sexta-feira, 2 de Dezembro de 2011

Ontem, dia da Restauração, o dia foi aproveitado para que alguns se insurgissem contra o fim do feriado. O presidente da Associação História da Independência de Portugal (?), João Alarcão Troni, disse, por exemplo, que o fim do feriado era um “murro ao patriotismo”. O Sr. José Pinto Coelho, do PNR, por seu turno, considerou o fim do feriado como “uma barbaridade”, propondo que se acabe antes com o 25 de Abril “porque é o único feriado que não nos faz falta nenhuma”. Infelizmente, apesar de todas estas diatribes nacionalistas e este espírito meio desconchavado e medieval, nenhum dos dois percebeu que não é o fim de um feriado que nos deixa mais ou menos independentes. Vivendo com as ordens de funcionários superiores, há muito que trocamos o orgulho da “independência” (sob qualquer forma) por dinheirinho fresco a juros modestos. E se o programa da troika assinado e aceite pelos principais partidos, não era suficiente para que todos nós entendêssemos o que está em causa, hoje, a D. Merkel da Alemanha, já veio assumir que quer uma refundação dos tratados para meter, presumo que de uma vez por todas, a gentinha indisciplinada na ordem. Portanto, se antes do anúncio, o que restava da nossa soberania era já manifestamente muito pouco, agora, depois do anúncio, parece-me evidente que será manifestamente nada. Logo, o dia da restauração é uma falácia. E é só a primeira delas.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 13:18 | link do post | comentar

Publius Cornelius Tacitus
To ravage, to slaughter, to usurp under false titles, they call empire; and where they made a desert, they call it peace.
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

A síndrome socialista

Soltar os cães

Um argumento

Regressando

Um papel

A cartilha

Prometeu

Um ou dois milagres

Uma nomeação

Cresçam

arquivos

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Maio 2015

Abril 2015

Setembro 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

tags

anáfora

antonomásia

benevolentes

blanchett

bloco

cate

charme

dench

djisselbloem

eufemismo

eurogrupo

guerra

gwyneth

helen

jonathan

judi

littell

metáfora

mirren

paltrow

perífrase

porto

prosopeia

renda

sela

socialismo

twitter

ward

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds