Terça-feira, 19 de Fevereiro de 2013

Como a notícia propicia, a voz que defende esses interesses só pode ser a do Dr. António José Seguro que, para além de escrever cartas, também viaja de avião até Bruxelas para se dar a conhecer. Mas uma análise cuidada, fora das limitações das notícias fabricadas e da inusitada propensão para relevar o irrelevante, denoda aquilo que o Dr. Seguro é: uma nulidade efectiva sem nenhuma ideia própria, que gasta o tempo a falar de trivialidades. Depois da agenda do crescimento (que ele nunca explicou) a nova originalidade passa pelas ditas cartas onde perora sobre Portugal e umas visitas a terras estrangeiras para se mostrar viajado. A isto, soma-se a ladainha feita para entreter o  povo e se mostrar muito, ou demasiado, indignado. Tudo isto faz parte de uma mesma estratégia. Como é natural, depois de amansado o clima de guerra civil, o Dr. Seguro aguarda, fazendo-se notar, pela derrocada do regime e pela queda do poder no seu colo. Nessa altura, não aparecerá só, mas também não virá bem acompanhado, atestando pelas luminárias que ele diz serem uma alternativa credível à falta de credibilidade do momento, como diz ele, actual. Se a política merece bem melhor que esta irracional possibilidade, o país, então, nem se fala. Mas se cairmos nesta esparrela, não será por não termos sido avisados.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 17:23 | link do post | comentar

Qualquer dia, nenhum governante quererá passar por este papel e as aparições públicas serão uma miragem, por causa de alguma gente que não se sabe comportar. O exemplo que aqui vemos elucida-nos como uma brincadeira para aparecer nos telejornais, facilmente resvala para o insulto gratuito e para a má-educação. Sou suspeito de gostar de Miguel Relvas, mas reconheço que ele aqui esteve bem, reagindo como devia reagir e enfrentado sem receio gente que ali estava apenas para instilar a ofensa e sujeitá-lo a uma humilhação pública.
Mas os que, em coro, entoaram o “Grândola Vila Morena”, deviam perceber a verdadeira mensagem daquilo que cantarolaram. No fundo, Miguel Relvas é representante de um governo legítimo e eleito pela maioria dos portugueses porque é, sem tirar nem pôr, “o povo quem mais ordena”.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 16:03 | link do post | comentar

Perante a inevitabilidade do destino, que teima em trazer a realidade, resta aos políticos falar de ar e de vento, comprovando a sua irrelevância. O mundo em 2013 é um mundo complexo e a Europa, os seus líderes, persiste no erro. Fechado, incapaz de mudar, incapaz de ser uno, o projecto europeu lá vai ruindo ao som da bandarra das peças de dominó que caindo vão derrubando as que se seguem. Sobra pouco que alimente esta miséria, mesmo que Hollande tenha sido, por momentos, uma esperança saloia atirada contra os que se recusam aceder ao facilitismo. A França conta pouco, Hollande conta menos. Com viagens ou sem viagens, com promessas ou sem promessas, o nosso fado é um fim sem retorno.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 15:39 | link do post | comentar

Terça-feira, 5 de Fevereiro de 2013

Com o parasita principal alojado em Paris a viver de empréstimos, e os secundários acampados na Câmara de Lisboa e no Parlamento à espera de ver como param as modas e do Messias ressuscitado, o Dr. Seguro é, coitado, um líder de prazo curto, num país, julgo eu, sem um mínimo de interesse pelo futuro dele. Vale que o Dr. Costa, esse excepcional estadista engendrado nos jornais e televisões, continua a dar tiros no próprio pé por causa da pressa de ter pressa e da intriga que audaciosamente alimenta nos sítios do costume.

Entretanto, o festival de variedades continua a reboque dos intrometidos de ocasião e agora também das nulidades que aterraram em Cascais para falar de uma coisa que não existe, mas onde o Dr. Seguro vê toda uma luz de esperança. Por certo, a coisa insiste em não lhe correr bem: nem Royale é conhecida pelo brilhantismo (apesar de bonita), nem Papandreou pela filosofia política (apesar de grego). Desta história portuguesa, sobra um imenso desespero: o Dr. Seguro agarra-se tanto às palavras de uma derrotada como se perde nos abraços a um tipo que ajudou a levar um país inteiro à ruína. Como se pode ter pena dele?



publicado por Bruno Miguel Macedo às 17:35 | link do post | comentar

Convenhamos que nomear o Sr. Franquelim Alves, ex-administrador do BPN, para secretário de Estado do Empreendedorismo, Competitividade e Inovação não deve ser um bom exemplo para os empreendedores-competitivos-inovadores deste país. A não ser que se queria incentivar outro tipo de empreendedorismo, de competitividade e de inovação junto dos portugueses, nomeadamente dos jovens. Aliás, e vendo por este prisma, o BPN mostrou bem como se pode ser empreendedor (fazendo desaparecer uns míseros 3,7 mil milhões de euros que se podem tornar rapidamente em 6 mil milhões), como se pode ser competitivo (usando dinheiro que não se vai pagar nunca para fazer o que nos apetecer) e como se pode ser inovador (criando uma rede tenebrosa de gente ilustre que se serve num banquete às centenas de milhões). No fim das contas, tudo isto é uma simples questão de perspectiva.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 17:34 | link do post | comentar

Publius Cornelius Tacitus
To ravage, to slaughter, to usurp under false titles, they call empire; and where they made a desert, they call it peace.
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

A síndrome socialista

Soltar os cães

Um argumento

Regressando

Um papel

A cartilha

Prometeu

Um ou dois milagres

Uma nomeação

Cresçam

arquivos

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Maio 2015

Abril 2015

Setembro 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

tags

anáfora

antonomásia

benevolentes

blanchett

bloco

cate

charme

dench

djisselbloem

eufemismo

eurogrupo

guerra

gwyneth

helen

jonathan

judi

littell

metáfora

mirren

paltrow

perífrase

porto

prosopeia

renda

sela

socialismo

twitter

ward

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds