Quarta-feira, 26 de Março de 2014

Um diz que há uma "agenda oculta". O outro responde que agenda oculta tem ele. A política, pelas ruas da amargura, diverte-se diariamente com este pseudo-diálogo entre os dois maiores partidos portugueses, um género de ping-pong sem sentido ou convicção. Nem um, nem outro estão interessados em outra coisa que não seja sobreviver. A qualquer preço. A qualquer custo. Parabéns aos dois.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 12:56 | link do post | comentar

Se foi o modelo de Keynes (e de Krugman) que nos trouxe aqui, ainda não percebi como é que vai ser o modelo de Keynes (e de Krugman) que nos vai tirar daqui.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 12:56 | link do post | comentar

Terça-feira, 25 de Março de 2014

A política em Portugal faz-se assim: atirando coisas para o ar, prometendo o que não se pode cumprir, fazendo teatro e construindo um circo. O político de pacotilha é deste género: fala para as televisões sem seriedade e sem se rir. Tenta enganar-nos, portanto. No caso do Dr. Seguro, ele bem pode garantir tudo e mais alguma coisa. Quando chegar ao poleiro, se chegar, mete a viola no saco e a vergonha no bolso. E tudo volta ao mesmo, porque não aprendemos nada. Ou porque não queremos mesmo aprender.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 10:37 | link do post | comentar

Se foi o modelo de Keynes (e de Krugman) que nos trouxe aqui, ainda não percebi como é que vai ser o modelo de Keynes (e de Krugman) que nos vai tirar daqui.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 10:31 | link do post | comentar

Quarta-feira, 19 de Março de 2014

Austeridade 1: Aumenta-se a receita (os impostos) e diminui-se a despesa (do Estado).
Austeridade 2: Aumenta-se a receita (os impostos) e mantém-se a despesa (do Estado).
Austeridade 3: Mantém-se a receita (os impostos) e diminui-se a despesa (do Estado).
Austeridade 4: Baixa-se a receita (os impostos) e reduz-se a despesa (do Estado) num valor superior à baixa dessa receita.

Pergunta 1: Qual dos tipos de austeridade é seguido pelo Governo?
Pergunta 2: Qual dos tipos de austeridade é proposto pelo PS?
Pergunta 3: Dos tipos de austeridade apresentados, qual deles é o mais eficaz?



publicado por Bruno Miguel Macedo às 12:59 | link do post | comentar

Terça-feira, 18 de Março de 2014
1- Se há um problema – seja ele social, cultural ou económico – o Estado deve intervir para solucioná-lo ou minimizá-lo. Se o problema persistir, o Estado deve impor medidas ainda mais assertivas porque só o Estado é capaz de resolver os problemas.

2- Se há uma recessão económica, o Estado deve promover o crescimento económico através de medidas de estímulo que... podem ir desde o investimento público ao radicalismo fiscal. Se a recessão persistir no tempo, o Estado deve aumentar os estímulos, independentemente de ter ou não ter dinheiro.

3- Se o crescimento económico não for suficiente, cabe ao Estado estimular esse crescimento com a promoção de infra-estruturas e/ou de investimentos na saúde e na educação, por exemplo. Se o Estado já estiver a fazer estes investimentos e a coisa não estiver a resultar, então é porque estes investimentos não são suficientes, logo é imperioso que o Estado invista mais para que toda a gente seja mais feliz.

4- Se houver recessão, o primeiro método para combater o défice das contas públicas é aumentar os impostos sobre os ricos. Se a economia estiver em expansão, os impostos sobre os ricos devem manter-se altos porque só assim o Estado garante que os ricos estão a contribuir justamente para a sociedade onde estão inseridos.

5- Se o Estado perceber que estas suas fórmulas falharam em determinado momento, foi porque as fórmulas não foram bem calculadas. Se as fórmulas iniciais falharam, há que reformulá-las, garantindo que desta vez é que é.


publicado por Bruno Miguel Macedo às 10:31 | link do post | comentar

Segunda-feira, 17 de Março de 2014
Qualquer solução para o país ou para a Região, passará sempre por haver menos governo na vida das pessoas, e não por mais governo na vida das pessoas. E ainda que se fale em melhor governo no pressuposto de que isso significa uma redução do seu peso estrutural (ainda que não veja ninguém a falar realmente nisto), tal não é suficiente porque, como muito bem dizia Mencken, bastas vezes os que se propõem salvar a humanidade, são aqueles que não disfarçam a sua vontade em querer governá-la. Posto isto:

1- O Estado resulta de uma associação entre os que já viveram, os que vivem e os que ainda vão viver;
2- Cada euro gasto pelo Estado é um euro tirado aos cidadãos e às empresas;
3- A dívida não é uma variável menosprezável porque tem uma correlação directa com a liberdade. Ou seja, quanto mais dívida acumulamos, menos liberdade temos. Isto aplica-se às empresas, às pessoas ou ao próprio Estado.
4- A dívida também tem efeitos de longo prazo. Pode excepcionalmente não coarctar a liberdade dos que vivem no presente, mas certamente coarctará a liberdade dos que viverão no futuro.
5- A liberdade é o nosso valor mais precioso.
6- A ideologia dominante limita-se, muitas vezes, a derramar dinheiro sobre os problemas. Quando isso não resolve, ela limita-se a derramar ainda mais dinheiro.
7- Logo, o problema não é do liberalismo no seu sentido clássico, é da visão que a grande maioria dos políticos tem de que cabe ao Estado resolver e intervir em todos os problemas, utilizando o dinheiro que é de todos em nome das suas utopias e visões.
8- Um Estado regulador é bastante diferente de um Estado interventor e impositivo. A fúria legislativa em exibição prova essa diferença.


publicado por Bruno Miguel Macedo às 16:42 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Quarta-feira, 12 de Março de 2014

 

Hoje, há 76 anos, o Exército Alemão entrava na Áustria, concretizando o célebre Anschluss. No dia seguinte, a Áustria deixava formalmente de existir e tornava-se uma província do Reich. A anexação é posteriormente referendada a 10 de Abril (com 99% dos votos pelo sim) e Hitler, já com a ocupação da Renânia de 1936 no bolso, começava a expandir o Reich Alemão.
Em Março de 1939, chegaria a vez do abraço aos alemães étnicos instalados na Boémia, na Morávia e na Silésia, os Sudetas da então Checoslováquia, e com a complacência das principais potências. Seis meses depois, a Alemanha invadia a Polónia.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 14:38 | link do post | comentar

Segunda-feira, 3 de Março de 2014

 

 

Livros para perceber os velhos tempos. E os novos tempos.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 12:39 | link do post | comentar

Publius Cornelius Tacitus
To ravage, to slaughter, to usurp under false titles, they call empire; and where they made a desert, they call it peace.
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

A síndrome socialista

Soltar os cães

Um argumento

Regressando

Um papel

A cartilha

Prometeu

Um ou dois milagres

Uma nomeação

Cresçam

arquivos

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Maio 2015

Abril 2015

Setembro 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

tags

anáfora

antonomásia

benevolentes

blanchett

bloco

cate

charme

dench

djisselbloem

eufemismo

eurogrupo

guerra

gwyneth

helen

jonathan

judi

littell

metáfora

mirren

paltrow

perífrase

porto

prosopeia

renda

sela

socialismo

twitter

ward

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds