Sexta-feira, 28 de Agosto de 2015

gwyneth_paltrow_6.jpgCharme. Não é preciso mais.

 



publicado por Bruno Miguel Macedo às 13:04 | link do post | comentar

Quinta-feira, 27 de Agosto de 2015

1- Queria fazer uma tentativa de piada com o “pide reformado”. Mas não consigo. A expressão é, toda ela, uma boa (ou má) piada.

2- Coligação acusada de “abusar” das funções do Estado. Pela pessoa que andou meses em campanha interna enquanto era presidente de câmara.

3- E Deus olhou para Jesus e disse-lhe: “Cairás em Moscovo e à terra regressarás”.

4- Um diz mil milhões. O outro grita três mil milhões. Brincar com o dinheiro dos impostos foi sempre muito fácil.


tags:

publicado por Bruno Miguel Macedo às 12:09 | link do post | comentar

sela ward.jpgCharme. Não é preciso mais.


tags: , ,

publicado por Bruno Miguel Macedo às 11:45 | link do post | comentar

Quarta-feira, 26 de Agosto de 2015

Cate Blanchet.jpg

 Charme. Não é preciso mais.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 10:51 | link do post | comentar

Terça-feira, 25 de Agosto de 2015

benevolentes1.jpgIrmãos humanos, deixem-me contar-vos como foi que se passou. Não somos seus irmãos, replicarão os que me lêem, e não queremos saber. E é bem verdade que se trata de uma história sombria, mas também edificante, um verdadeiro conto moral, garanto-vos eu. Corre o risco de ser um tanto comprida, afinal de contas passaram-se muitas coisas, mas caso os leitores não estejam demasiado apressados, com um pouco de sorte o tempo há-de chegar. E depois isto diz-vos respeito: acabarão por ver bem que vos diz respeito. Não pensem que procuro convencer-vos seja do que for; bem vistas as coisas, as opiniões do leitor são da sua conta. Se me decidi escrever depois de todos estes anos, é para esclarecer as coisas para mim mesmo e não para os que me lêem. Durante muito tempo, cada um de nós rasteja nesta terra como uma lagarta, na expectativa da borboleta esplêndida e diáfana que traz em si. E depois o tempo passa, a ninfose não chega, ficamos larva, constatação aflitiva, que havemos de fazer com ela?

Este livro, 900 páginas de belíssima, mas complexa e densa literatura, não se lê sem sentir um nó na garganta, um nó que aperta e arde, que nos deixa ansiosos, que nos deixa a pensar na besta em que o homem se torna quando os verdadeiros valores humanos se esvaem, como o sangue se esvai do corpo do fuzilado. É esta indiferença que marca, que torna tudo tão real e ao mesmo tempo tão irreal. É esta indiferença que nos mostra o perigo da nossa própria indiferença. E é esta indiferença, esta horrível e crua indiferença, que torna este romance na mais incrível descrição que li sobre o horror da guerra.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 12:12 | link do post | comentar

Pode uma borboleta bater as asas no Pacífico e provocar um terramoto no outro lado do mundo? Pode.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 11:44 | link do post | comentar

judi.jpg

 Charme. Não é preciso mais.


tags: , ,

publicado por Bruno Miguel Macedo às 11:01 | link do post | comentar

Segunda-feira, 24 de Agosto de 2015

helen.jpg

 Charme. Não é preciso mais.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 11:51 | link do post | comentar

churchill.jpg

Churchill, do alto da sua espantosa tenacidade, soube sempre o que estava em causa na guerra contra os alemães. Ele viu primeiro que todos os outros e percebeu antes de todos os outros, e depois de vencer a guerra, o resultado da paz que nos esperava. Não era um homem qualquer. Incongruente, bruto, mal-educado e rezingão em muitos casos, mas também magnânimo, assertivo e visionário, Churchill foi o homem certo para um tempo certo, mas errado. Ao longo da sua difícil luta, muitas vezes isolado e sem grandes apoios, e mesmo quando muitos desejavam uma "paz podre" e que a Grã-Bretanha se vergasse ao poderio de Hitler, Churchill manteve bem viva a esperança de todo um povo. Não é portanto de estranhar a sua concepção de propaganda e o modo como utilizava a oratória para motivar os britânicos e estuporar os inimigos. Um belo dia, A. G. Talbot, o Capitão-de-mar-e-guerra responsável pela campanha naval contra os U-Boat nazis, atreveu-se a questionar Churchill sobre as estatísticas que este apresentava sobre o afundamento destas embarcações terríveis e que à época faziam do Atlântico um enorme cemitério. Churchill, perspicaz e corrosivo, respondeu-lhe: “Nesta guerra, Talbot, há dois tipos de pessoas que afundam submarinos. Você afunda-os no Atlântico. Eu afundo-os na Câmara dos Comuns. O problema é que você afunda-os a um ritmo que é metade do meu.”



publicado por Bruno Miguel Macedo às 10:06 | link do post | comentar

Quarta-feira, 19 de Agosto de 2015

genesis.jpgDe acordo com o Observador há já 17 candidatos (e candidatos a candidatos) à PR. Falta saber-se se Rio, Santana, Marcelo e Jardim também avançam e quem será o candidato do PCP, a apresentar depois das eleições de Outubro. Podemos chegar à módica quantia de 22 candidatos, quase tantos como os que disputam a nomeação do Partido Republicano.

Contudo, nenhum dos 17 nomes avançados entusiasma. Gosto de Henrique Neto (um senhor, embora isso não lhe seja suficiente para levar o meu voto), mas o resto oscila entre a irrelevância, o ridículo e um enorme bocejo sem remédio, com particular destaque para os “bem” posicionados Nóvoa (um horror emproado e sem fim) e Maria de Belém (recordada ainda este fim-de-semana por gostar de entrar muda e sair calada).

Com a procissão ainda no adro, e em plena campanha eleitoral de outro género e para outros voos, a confusão é tanta que já removeu, provavelmente, parte da assistência ainda interessada. Pena que assim seja. O que se joga entre Outubro e Janeiro, uma coincidência de calendário, é demasiado importante para o tempo que se perde com mediatismos toscos, vaidades pueris e gente sem percepção da realidade. E como se não bastasse a agonia diária de jornais e telejornais deste Agosto quente, ainda temos de levar com a dose costumeira de intriga palaciana em que anónimos e fontes próximas falam com considerável conhecimento e apurada satisfação, certamente um modo de entusiasmar cadáveres. Louve-se a paciência e a determinação. Por mim, quando não se faz parte de uma verdadeira solução, ou não se atrapalha ou só se contribui ainda mais para o problema. Em Janeiro se verá.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 12:30 | link do post | comentar

Publius Cornelius Tacitus
To ravage, to slaughter, to usurp under false titles, they call empire; and where they made a desert, they call it peace.
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

A síndrome socialista

Soltar os cães

Um argumento

Regressando

Um papel

A cartilha

Prometeu

Um ou dois milagres

Uma nomeação

Cresçam

arquivos

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Maio 2015

Abril 2015

Setembro 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

tags

anáfora

antonomásia

benevolentes

blanchett

bloco

cate

charme

dench

djisselbloem

eufemismo

eurogrupo

guerra

gwyneth

helen

jonathan

judi

littell

metáfora

mirren

paltrow

perífrase

porto

prosopeia

renda

sela

socialismo

twitter

ward

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds