Quinta-feira, 17 de Dezembro de 2015

lobos.jpgO PS foi puxado para um dos extremos graças à poligamia em união de facto instituída com o Bloco (que manda de facto no Governo) e com o PC (que manda de facto nos sindicatos). Esta concepção não é apenas teórica, é também prática. Logo, o PS não pode fugir do destino no imediato porque isso é mostrar fraqueza, e não pode alterá-lo porque a alternativa é morrer trucidado nas urnas. O PS vive, portanto, numa simbiose, em que os dois partidos mais pequenos desta relação competem ferozmente entre si, sem descurarem a possibilidade de canibalização do hospedeiro. Esta relação de inquilinismo é momentânea porque nesta fase o partido maior não é verdadeiramente afectado, mesmo quando promove e exponencia o valor dos seus inquilinos. A utilidade actual supera as potenciais falhas futuras.

O PSD, por seu turno, viu-se arrastado para o outro extremo (pela colagem comunicacional, não pela praxis política) graças aos quatro anos em coligação com o CDS que preludiaram, na sua essência, o processo de radicalização política que gerou esta nova realidade e originalidade governativa. Muitos dentro do PSD já perceberam a necessidade de se livrarem do “activo tóxico” que representa o partido político mais pequeno da coligação. A outrora protocooperação deu lugar, então, a três ideias principais: à ideia de predação (em que o mais forte quer devorar o mais fraco); à ideia de esclavagismo (em que o mais forte subjuga o mais fraco); e à ideia de parasitismo (em que o mais pequeno é quem mais beneficia da situação).

Desde Outubro de 2015 que o centro em Portugal está suspenso, ou não existe, no plano teórico, fruto da divisão civil e política provocada por uma táctica de submundo protagonizada pelo actual primeiro-ministro. A direita é agora “a direita radical”, a esquerda é agora “a esquerda radical”. Não há apenas “esquerda” e não há apenas “direita”. E também não há "centro". Por conseguinte, é no meio que muitos percebem andar a virtude e as tais águas profundas e calmas onde é possível voltar ao poder com legitimidade reforçada, sem menosprezar os instintos e a vontade de poder.

Neste contexto, não é possível perceber a tendência que cresce dentro do PSD sem entender este novo enquadramento, onde não é possível nem protocooperar, nem devorar, escravizar ou deixar-se parasitar pelo partido mais pequeno. E se ao PS resta esperar, ao PSD resta adaptar-se ao novo tempo. Porque quando os factos mudam, convém mudar de estratégia.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 11:25 | link do post | comentar

Quarta-feira, 16 de Dezembro de 2015

sócrates3.jpgSócrates foi mais assertivo na segunda-feira. Diria mesmo, contundente porque estava manifestamente bem preparado. Ontem foi menos reservado, mais emotivo e, por isso mesmo, menos capaz de controlar racionalmente a sua narrativa. Este intimismo revelou um espírito de acossado centrado no seu maior defeito: um ego desmesurado que não consegue esclarecer, antes confundir. Para ele, a cabala é uma constante permanente em que o cosmos e as forças do homem e da natureza (presumo que os elementos também sejam da “direita”) conspiram para deitar abaixo o seu mundo, as suas convicções e arrasar tudo aquilo que lhe é próximo com intuitos que não são obscuros, pelo contrário, são perfeitamente claros: derrubar o Partido Socialista e por essa via elevá-lo a vítima de um processo político.

A minha perspectiva sobre o assunto não mudou, mas aquilo que antevejo como corolário, o fim último em que tudo isto vai resultar, também não. E, hoje, como rescaldo, julgo que poucos mudaram de opinião sobre a personagem e o processo: quem o julga culpado, mantém o veredicto; quem o tem como inocente, mantém a sua defesa.

A entrevista, então, baralhou para deixar tudo praticamente na mesma: Sócrates adiantou-se no marcador na primeira parte, mas deixou-se igualar na segunda. No deve e no haver, não me parece que empatar a jogar em “casa” seja coisa que lhe convenha.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 11:02 | link do post | comentar

Terça-feira, 15 de Dezembro de 2015

socrates2.jpg

1- Quem assistiu à narrativa teve a plena convicção de que Sócrates estava muito bem preparado e que utilizou com mestria os seus principais argumentos.

2- Foi evidente que quem saiu da entrevista mais beliscado é a Procuradoria Geral da República, sob a figura de Joana Marques Vidal, por tudo o que Sócrates afirmou e confrontou. Convém referir, no entanto, que a entrevista praticamente não teve contraditório.

3- Já se percebeu que a acusação, depois de um início auspicioso, está a cometer erros que beneficiam o suposto infractor. Sócrates dedicou-se com afinco a desmontar as principais acusações de que é alvo e conseguiu, por essa forma, atingir os seus objectivos: gerar dúvidas razoáveis sob o processo, descredibilizar os actores do processo e colocar-se como potencial vítima de uma maquinação (ou de um “ódio pessoal”, como ele próprio afirmou) que não teve pudor em usar a própria família (“o meu filho e a minha ex-mulher”) para um ataque. Aliás, Sócrates “regressou” para se defender e para proteger a família.

4- Notou-se também que Sócrates esperava um apoio declarado do PS, e que fosse além das dezenas de figuras que o visitaram em Évora. Costa, talvez para contentá-lo, colocou socráticos em ministérios e em secretarias de estado, mas resta saber se isso será suficiente para Sócrates perdoar a desfeita.

5- O “animal feroz” é uma máquina de propaganda poderosa que no seu ambiente causa mossa, muita mossa. E saiu vencedor por KO nesta primeira parte da contenda (a segunda chega-nos hoje) em que se esperava mais luta do entrevistador e menos rédea solta do entrevistado.

6- Como ontem vaticinei, isto não vai dar em nada e as suspeitas não deixarão de ser isso mesmo: suspeitas que se lavarão com o sacudir de responsabilidades ou com mentiras vestidas de verdade. Que nos sirva pelo menos para pensar no regime que temos e na justiça que queremos.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 12:01 | link do post | comentar

Segunda-feira, 14 de Dezembro de 2015

socrates.jpgA criatura volta hoje ao horário nobre para contar a sua narrativa. Sócrates vai, portanto, ao ambiente que melhor conhece e domina porque foi a televisão que, primeiro, o criou e, depois, o matou. É com essa esperança que ele sonha renascer.
É provável que vá lá transmitir a ideia de um acossado de ar muito sério, perseguido por motivações políticas e enchido de teorias conspiratórias, de coincidências diversas e de fábulas de encantar. E é provável também que o público, em casa, se divida, e se emocione ou se insurja conforme a bílis ou a disposição. Eu já não estou nem aí, como diria o brasileiro. Há muito que percebi que isto não vai dar nada e que as suspeitas não deixarão de ser isso mesmo: suspeitas que se lavarão com o sacudir de responsabilidades ou com mentiras vestidas de verdades. Neste país, raramente um princípio tem um fim.
Sócrates vai hoje ao horário nobre. Não há como condená-lo por isso. Ele usa o que tem. Não é culpa dele.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 16:57 | link do post | comentar

farinha.jpg

 



publicado por Bruno Miguel Macedo às 13:13 | link do post | comentar

Sexta-feira, 11 de Dezembro de 2015

parisclima.jpgDois mandatos depois, e quando está de saída, Obama lembrou-se do problema ambiental e propôs-se liderar a “batalha” (conjuntamente com outros países desenvolvidos) pelo ambiente (cada vez com mais radicais entrincheirados e com estudos profundamente contraditórios, o que só revela a fragilidade de muitos argumentos). Isso mostra bem a hipocrisia da criatura, habituada à boa imprensa e ao enchimento de ar com chouriços. Como é óbvio os países em via de industrialização e os mais atrasados vão mandá-lo passear, porque não estão motivados para abdicar de ter o que os ricos têm para que os ricos fiquem confortáveis com a sua consciência. Ou seja, por mais que a guerrilha urbana se dedique com afinco à destruição dos símbolos do seu bem-estar, os mais pobres querem precisamente o que os ricos têm, e não o que os ricos pensam que eles devem ter.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 17:39 | link do post | comentar

donaldtrump.jpgAnda muita gente preocupada com Donald Trump. Mas como diria Ortega y Gasset o homem é o homem e as suas circunstâncias, pelo que não se deve menosprezar o panorama actual americano, incluindo o desastre notório que é a presidência de Obama. Talvez isso ajude a explicar o fenómeno de popularidade da criatura e o ambiente em que se alimenta e cresce.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 17:32 | link do post | comentar

Publius Cornelius Tacitus
To ravage, to slaughter, to usurp under false titles, they call empire; and where they made a desert, they call it peace.
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

A síndrome socialista

Soltar os cães

Um argumento

Regressando

Um papel

A cartilha

Prometeu

Um ou dois milagres

Uma nomeação

Cresçam

arquivos

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Maio 2015

Abril 2015

Setembro 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

tags

anáfora

antonomásia

benevolentes

blanchett

bloco

cate

charme

dench

djisselbloem

eufemismo

eurogrupo

guerra

gwyneth

helen

jonathan

judi

littell

metáfora

mirren

paltrow

perífrase

porto

prosopeia

renda

sela

socialismo

twitter

ward

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds