Terça-feira, 26 de Janeiro de 2016

carcolepsy.jpgHá um problema com as previsões do Governo relativamente ao Orçamento do Estado. Esse problema não é de somenos importância porque se funda em projecções catalogadas de demasiado optimistas, um facto não despiciendo para quem nos empresta dinheiro e mantém ligada a máquina de respiração assistida.

Claro está que um Orçamento é um Orçamento e a sua leitura depende do lado enviesado que o analisa, e da boa vontade de quem o apresenta e executa ou da má vontade de quem o ataca e condena. Mas a economia não é uma ciência exacta, as finanças não são regras de três simples e a imaginação dos políticos vale o que vale. Mas nestas matérias mais vale cair em graça do que ser engraçado. E quando a bota não bate perdigota, há razões mais do que suficientes para preocupação acrescida, como parece ser o caso. Não é apenas porque os outros estão a olhar para nós desconfiados, é também porque todos nós reconhecemos a legitimidade dessa desconfiança plasmada na artificialidade que vivemos hoje. Não tem muito tempo, andávamos a pedir esmola. Pensar-se que por um toque de varinha mágica, a nossa situação mudou, é o mesmo que julgar que de barriga cheia não precisamos de fazer mais nada. Ou que a cigarra voltou a esquecer-se das vantagens de ser mais vezes como a formiga. Vamos a caminho de mais um sarilho.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 15:38 | link do post | comentar

Segunda-feira, 25 de Janeiro de 2016

nonversation.jpg

A vitória esmagadora de Marcelo Rebelo de Sousa nestas eleições merece umas conclusões:
1- A direita esteve unida em torno de um candidato. A esquerda esteve dividida no seu habitual folclore. Tinha candidatos para todos os gostos, incluindo cinco socialistas, um comunista, uma bloquista e um artista de variedades. Já se sabe que nestas coisas a imaginação da esquerda é como o céu: não tem limite.
2- António Costa geriu este dossiê como governa o país: de forma infantil e totalmente irresponsável. É, portanto, o grande derrotado destas eleições. Ele e todos os outros 9 candidatos cujo objectivo era forçar uma segunda volta.
3- O PC é o elo mais fraco da tróica que governa. A votação obtida pelo seu candidato prova que o ménage de conveniência é bom para a fotografia, mas péssimo para os resultados. O Bloco manda, o PS executa, o PC obedece. A corda começou a rebentar.
4- Sampaio, Eanes e Soares têm história e um passado de relevo. Os três ex-presidentes, apesar da popularidade, apoiaram um candidato que não recolheu 25% das intenções de voto. Eis um “tempo novo”.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 10:58 | link do post | comentar

Sexta-feira, 22 de Janeiro de 2016

bedgasm.jpg

A campanha não entusiasmou, porque não podia entusiasmar. Houve demasiada confusão, ruído comunicacional, pouca clarividência. Por certo, a confusão foi benéfica para quem gosta de fazer da política um mero palco onde há cada vez menos espectadores interessados nas dores de parto. Isto naturalmente beneficiou quem tem mais a perder do que a ganhar, quem está mais para destruir do que para construir, logo beneficiou mais os candidatos da esquerda do que Marcelo Rebelo de Sousa. É um facto.

Foi aliás notória a tentativa de colar a presidência aos governos e a situações hipotéticas como se uma presidência fosse resumida em questões de sim ou não ou feita dos humores de momento ou dos dramas de ocasião. Só que a alta política exige ponderação, reflexão, análise cuidada dos caminhos em cima da mesa, e não um ver se te avias a ver quem tem a resposta mais interessante, mais polémica ou que possa ter maior amplitude comunicacional. Não é isso que interessa, não é isso que importa.

O que interessa é percebermos que um presidente não decide com base em adágios, em provérbios, ou em frases feitas declamadas sobre cantigas de intervenção; que um presidente não decide exclusivamente suportado na sua área política de origem; que um presidente não é um líder de facção ou de metade de um país contra a outra metade.

O que importa é interiorizarmos que um presidente representa Portugal e os portugueses, representa a nossa história, é um símbolo do país que merece respeito, coisa que muitos não tiveram por quem nos representou nos últimos dez anos; que um presidente não se deixa abater pelas críticas; que um presidente decide pela sua cabeça e não vai atrás do que pensam os outros; que um Presidente tem autonomia e não responde a supostos favores.

É por isso que vou votar Marcelo Rebelo de Sousa neste domingo. Não há outro candidato capaz de corresponder de forma tão eficaz ao que se exige a um Presidente da República. E eu quero alguém na Presidência da República que me dê garantias que vai decidir (quando precisar decidir), não para o meu lado, mas com justiça, independentemente do lado onde essa justiça estiver.

Nota final: Uma palavra de apreço a Henrique Neto – pela capacidade que demonstrou e o respeito que conquistou – e um obrigado sentido ao Tino de Rans – pela autenticidade revelada e porque num tempo em que um ministro troça daquele que é um dos maiores artistas nacionais, nada como ver um verdadeiro homem do povo a dar chapadas de luva branca em muito presumido.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 14:39 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quinta-feira, 21 de Janeiro de 2016

askhole.jpgA natureza humana só surpreende quem anda distraído. Nada de original, portanto, ver o Estado manter em exibição este acelerado processo de destruição das liberdades e garantias dos cidadãos a troco do combate à presumida “evasão fiscal”. Aliás, há sempre uma contrapartida evidentemente saborosa que explica às massas a necessidade de ir sempre mais além nas funções do Estado. Às vezes é a “evasão fiscal”, às vezes é a “saúde pública”, às vezes é “a mudança de mentalidades”, às vezes é o que lhes dá na gana.

Seja como for, a partir de agora, todos somos suspeitos e não há necessidade de recorrer a um tribunal para vermos a nossa vida devastada por um qualquer senhor ou senhora das finanças. Neste caminho tortuoso, rumo a um fascismo encapotado em que o Estado verifica todos os aspectos da nossa vida individual e colectiva, bem podemos espernear e dizer basta, que isso não tem qualquer consequência.

Na verdade, nós adoramos este Estado omnipresente com controladores instalados a cada esquina. Adoramo-lo no modo como nos ensina a comer, a viver, a ter saúde, a ser melhor, porque assumimos como inevitável esta cavalgada criadora de um “homem novo” e de um Estado policial.

Eu, que dispensava esta amabilidade que me toma por parvo e idiota chapado e que não tenho interesse nenhum em me tornar um “homem novo” (ainda menos se baseado nas abstrusas ideias deles), estou na onda, não porque queira ir, mas porque é tão grande que é quase impossível lhe resistir. E eu tento humildemente resistir.

Um dia, e esse dia não estará longe, o Estado estará, vestido de gala, instalado dentro de casa a tomar conta de mim, a tomar conta de nós. Nesse dia, seremos certamente todos muito iguais; impolutos; saudáveis; mental, económica e culturalmente capazes; e ambientalmente irrepreensíveis. Mas não teremos aquilo que outrora tanto valorizávamos: liberdade. Liberdade de podermos escolher, liberdade de podermos ser diferentes, liberdade de podermos ser…livres e fazer outras opções.

Philip Roth, esse mestre, disse um dia que a humanidade colocava muita esperança na inteligência dos homens, mas que isso [infelizmente] não anulava a própria natureza humana. Como se vê, não anula mesmo, até porque ela está e revela-se nos pormenores e na imaginação infindável com que nos obriga às suas certezas absolutas.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 15:00 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Segunda-feira, 4 de Janeiro de 2016

Ouvir um debate na rádio com 10 candidatos é um exercício masoquista. A primeira pergunta demorou quase 25 minutos a ser respondida. Já não me lembro o que responderam os 9 primeiros. E agora também não me lembro do último.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 10:43 | link do post | comentar

O pior que pode acontecer a um populista num debate (na rádio, no caso) é encontrar um populista pior do que ele.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 10:43 | link do post | comentar

Transparência – Se o Dr. Paulo Morais era o vice-presidente da Associação Transparência e Integridade quem era [é] o Presidente?



publicado por Bruno Miguel Macedo às 10:41 | link do post | comentar

Publius Cornelius Tacitus
To ravage, to slaughter, to usurp under false titles, they call empire; and where they made a desert, they call it peace.
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

A síndrome socialista

Soltar os cães

Um argumento

Regressando

Um papel

A cartilha

Prometeu

Um ou dois milagres

Uma nomeação

Cresçam

arquivos

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Maio 2015

Abril 2015

Setembro 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

tags

anáfora

antonomásia

benevolentes

blanchett

bloco

cate

charme

dench

djisselbloem

eufemismo

eurogrupo

guerra

gwyneth

helen

jonathan

judi

littell

metáfora

mirren

paltrow

perífrase

porto

prosopeia

renda

sela

socialismo

twitter

ward

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds