Quinta-feira, 23 de Março de 2017

profiter.png

 

Uma metáfora, desastrada, soltada pelo meio de uma entrevista a Djisselbloem, líder do Eurogrupo, incendiou os ânimos, fez soltar os cães e apelou à utilização de figuras de estilo alternativas por parte do indígena.

O Dr. César, líder da bancada socialista e baluarte da boa educação na AR, optou pela antonomásia ao afirmar que “é o tipo de criatura que não faz falta na União Europeia”.

Um tal de Duarte Marques, conhecido mais pelo dislate do que pela seriedade, seguiu a via da prosopopeia porque para ele “este socialista holandês é um atrasado mental”.

Sérgio Sousa Pinto, deputado do PS, foi um pouco mais longe e escolheu uma perífrase já que Djisselbloem não passa de “[…] um sobrevivente sem escrúpulos, [que] decidiu acicatar o pior da Holanda, vestiu uma camisa castanha e deu largas à xenofobia como se estivesse em cima de uma cervejaria bávara” acrescentando que o holandês é um “Djosselcoiso, pseudo-socialista e lacaio internacional”.

E o Bloco, esse mar de virtudes e de gente séria que nunca perde uma oportunidade para aproximar o fascismo das palavras, também atirou uma anáfora e considerou as “declarações absolutamente xenófobas, racistas, sexistas, preconceituosas […]”.

Vale que o nosso ministro dos Negócios Estrangeiros, conhecido por comparar a concertação social a uma feira do gado (uma metáfora, convém relembrar), foi mais comedido e imaginativo.

Para Augusto Santos Silva “o presidente do Eurogrupo continua passados estes anos todos sem compreender o que verdadeiramente se passou. […] O que aconteceu foi que nós, como outros países vulneráveis, sofremos os efeitos negativos da maior crise mundial desde os tempos da grande depressão e as consequências da Europa e a sua união económica e monetária não estar suficientemente habilitada com os instrumentos que nos permitissem responder a todos os choques que enfrentamos”. Eis como um eufemismo explica tão bem aquilo que verdadeiramente aconteceu.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 14:47 | link do post | comentar

Terça-feira, 14 de Março de 2017

ethereal.jpg

Marcelo, o Príncipe do Povo de acordo com o Expresso, não sabe se se recandidata em 2021. Decidiu guardar a resposta para 2020, como se alguém acreditasse na sua falta de vontade depois de lhe tomar o gosto e o jeito para interferir em tudo, incluindo numa associação de condomínio que não funciona em Odivelas e no inadmissível desplante da Dra. Teodora Cardoso, mulher com toda a certeza alienada da realidade. O presidente, perdão, o príncipe do povo e dos afectos julga, assim, estar a criar um tabu de enorme ansiedade na pátria. Talvez esteja certo.

O filme em exibição exige mestria e a presunção de que os actores e restantes figurantes cumprem e obedecem ao guião que traz insultos, erros de português e mentiras gloriosas numa casa da democracia transformada em cortejo de entulho. E enquanto o Trio Odemira (Costa, Catarina e Jerónimo) actua e o príncipe (Marcelo) dirige – por entre selfies, beijinhos e abraços de circunstância –, o público, embevecido, ri ou chora conforme as orientações do Sr. Galamba do twitter, da D. Mariana das gémeas e de um tal Tiago do PCP, especialista em artes marciais e em ameaças subliminares à mesma Dra. Teodora que vem no primeiro parágrafo desta história. É por isso que o filme não pode parar: a direita é a má da fita e a esquerda é a heroína (no seu duplo sentido) da história (no seu duplo sentido). Por entre uma dose e outra, perdão, por entre uma cena e outra, as incertezas tornam-se certezas, as mentiras tornam-se verdades, o azedo torna-se doce, a ficção torna-se realidade, a D. Isabel Moreira faz mais uma tatuagem e o Prof. Louçã chega de fato e gravata ao Banco de Portugal. Pena o argumento pouco original: não é a primeira vez que uma comédia se transforma em tragédia, que a festa acaba numa conta de dezenas de milhar de milhões de euros por pagar ou que o Sr. Tiago, do segundo parágrafo desta história, espuma pela boca. Aliás, avaliando a nossa insidiosa atracção pelo abismo, nenhuma delas será a última.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 15:00 | link do post | comentar

Segunda-feira, 6 de Março de 2017

afterclap.png

Em modo lento. Lentíssimo. Mas regressando. Para outros tempos e novas lutas. Para os dias difíceis que aí vêm e que poucos querem ver.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 11:38 | link do post | comentar

Publius Cornelius Tacitus
To ravage, to slaughter, to usurp under false titles, they call empire; and where they made a desert, they call it peace.
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

A síndrome socialista

Soltar os cães

Um argumento

Regressando

Um papel

A cartilha

Prometeu

Um ou dois milagres

Uma nomeação

Cresçam

arquivos

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Maio 2015

Abril 2015

Setembro 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

tags

anáfora

antonomásia

benevolentes

blanchett

bloco

cate

charme

dench

djisselbloem

eufemismo

eurogrupo

guerra

gwyneth

helen

jonathan

judi

littell

metáfora

mirren

paltrow

perífrase

porto

prosopeia

renda

sela

socialismo

twitter

ward

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds