Quarta-feira, 3 de Fevereiro de 2016

oneirataxia.png1- Como é natural, quando há um défice excessivo e não se corta na despesa, a fórmula que sobra é fazer crescer a receita. Logo, vai haver aumento de impostos.

2- Esse aumento de impostos, pelo que nos é dado ver, vai incidir sobre os combustíveis, a compra de automóveis, a banca, o álcool, o tabaco, os lucros das empresas, o IMI dos fundos imobiliários e as heranças e sucessões, sem falar em tudo o resto que já existe.

3- Isto tem consequências no desenvolvimento do país porque um aumento de impostos significa menos dinheiro disponível do lado dos contribuintes e dos investidores.

4- Uma projecção pode estar imbuída de dois defeitos: um primeiro prende-se com o excesso de optimismo; um segundo tem que ver com as variáveis incontroláveis que militam na equação. (Por exemplo, não houve uma única alminha que tenha previsto a derrocada do preço do petróleo, mas ela aconteceu)

5- Dizer que o défice vai ser de x ou y, que o desemprego vai ser de a ou b ou ainda que a dívida pública vai ser de t ou w, é um exercício teórico que pode não ter correspondência com a realidade. Na verdade, qualquer mudança nas variáveis da equação provoca efeitos no resultado da mesma, incluindo em outras variáveis que nem constam da equação, o que obriga a um permanente refazer da mesma.

6- Numa situação de impostos altos, o mais natural é que o investimento diminua e o desemprego aumente. A não ser que o governo esteja a pensar injectar dinheiro (que não há) em obras públicas (que não estão previstas), não se percebe como é que se vai minimizar o efeito do desemprego (quando ainda por cima aumentou o salário mínimo e mudou as regras de contratação).

7- Não se percebe, mas não quer dizer que não aconteça. Mas um acontecimento inesperado é uma coisa, um caminho inexplicável é outra bem diferente.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 14:42 | link do post | comentar

Publius Cornelius Tacitus
To ravage, to slaughter, to usurp under false titles, they call empire; and where they made a desert, they call it peace.
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

A síndrome socialista

Soltar os cães

Um argumento

Regressando

Um papel

A cartilha

Prometeu

Um ou dois milagres

Uma nomeação

Cresçam

arquivos

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Maio 2015

Abril 2015

Setembro 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

tags

anáfora

antonomásia

benevolentes

blanchett

bloco

cate

charme

dench

djisselbloem

eufemismo

eurogrupo

guerra

gwyneth

helen

jonathan

judi

littell

metáfora

mirren

paltrow

perífrase

porto

prosopeia

renda

sela

socialismo

twitter

ward

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds