Quinta-feira, 17 de Dezembro de 2015

lobos.jpgO PS foi puxado para um dos extremos graças à poligamia em união de facto instituída com o Bloco (que manda de facto no Governo) e com o PC (que manda de facto nos sindicatos). Esta concepção não é apenas teórica, é também prática. Logo, o PS não pode fugir do destino no imediato porque isso é mostrar fraqueza, e não pode alterá-lo porque a alternativa é morrer trucidado nas urnas. O PS vive, portanto, numa simbiose, em que os dois partidos mais pequenos desta relação competem ferozmente entre si, sem descurarem a possibilidade de canibalização do hospedeiro. Esta relação de inquilinismo é momentânea porque nesta fase o partido maior não é verdadeiramente afectado, mesmo quando promove e exponencia o valor dos seus inquilinos. A utilidade actual supera as potenciais falhas futuras.

O PSD, por seu turno, viu-se arrastado para o outro extremo (pela colagem comunicacional, não pela praxis política) graças aos quatro anos em coligação com o CDS que preludiaram, na sua essência, o processo de radicalização política que gerou esta nova realidade e originalidade governativa. Muitos dentro do PSD já perceberam a necessidade de se livrarem do “activo tóxico” que representa o partido político mais pequeno da coligação. A outrora protocooperação deu lugar, então, a três ideias principais: à ideia de predação (em que o mais forte quer devorar o mais fraco); à ideia de esclavagismo (em que o mais forte subjuga o mais fraco); e à ideia de parasitismo (em que o mais pequeno é quem mais beneficia da situação).

Desde Outubro de 2015 que o centro em Portugal está suspenso, ou não existe, no plano teórico, fruto da divisão civil e política provocada por uma táctica de submundo protagonizada pelo actual primeiro-ministro. A direita é agora “a direita radical”, a esquerda é agora “a esquerda radical”. Não há apenas “esquerda” e não há apenas “direita”. E também não há "centro". Por conseguinte, é no meio que muitos percebem andar a virtude e as tais águas profundas e calmas onde é possível voltar ao poder com legitimidade reforçada, sem menosprezar os instintos e a vontade de poder.

Neste contexto, não é possível perceber a tendência que cresce dentro do PSD sem entender este novo enquadramento, onde não é possível nem protocooperar, nem devorar, escravizar ou deixar-se parasitar pelo partido mais pequeno. E se ao PS resta esperar, ao PSD resta adaptar-se ao novo tempo. Porque quando os factos mudam, convém mudar de estratégia.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 11:25 | link do post | comentar

Publius Cornelius Tacitus
To ravage, to slaughter, to usurp under false titles, they call empire; and where they made a desert, they call it peace.
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

Os incêndios que matam pe...

A síndrome socialista

Soltar os cães

Um argumento

Regressando

Um papel

A cartilha

Prometeu

Um ou dois milagres

Uma nomeação

arquivos

Outubro 2017

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Maio 2015

Abril 2015

Setembro 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

tags

anáfora

antonomásia

benevolentes

blanchett

bloco

cate

charme

dench

djisselbloem

eufemismo

eurogrupo

guerra

gwyneth

helen

jonathan

judi

littell

metáfora

mirren

paltrow

perífrase

porto

prosopeia

renda

sela

socialismo

twitter

ward

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds