Sexta-feira, 19 de Setembro de 2014

1- O João tinha um pequeno negócio que vendia telemóveis e hardware informático.
2- O negócio funcionava normalmente até que o Estado decidiu que os preços dos produtos vendidos pelo João tinham que ser agravados por causa dos “artistas” (podia ser por causa do ambiente, da fome no mundo, da União Europeia, ou por outra coisa qualquer).
3- Os telemóveis e os produtos de hardware do João sofreram, então, um aumento que se repercutiu numa primeira fase numa diminuição dos lucros (porque o João suportava a taxa); e, numa segunda fase, num aumento do preço do produto em si, uma vez que a margem já não era grande coisa (e porque o João deixou de suportar a taxa).
4- Como é natural, o aumento dos preços fez diminuir a procura na segunda fase: não apenas porque as pessoas passaram a comprar menos vezes, mas porque aguentam mais tempo com os produtos sem substituí-los.
5- A nova taxa ambiental, que é uma variável sobre a capacidade do produto, é fixa (paradoxalmente) para o produto final do João, uma vez que ela é sempre cobrada, desde que João efectue uma venda.
6- Independentemente do João fazer uma promoção, a taxa não é diminuída nessa promoção. Ou seja, mesmo que o João aplique um desconto a um cliente, a taxa mantém-se inalterada mesmo que o preço do produto diminua de valor, porque o que conta é a capacidade do aparelho.
7- Como a capacidade dos aparelhos está sempre a aumentar devido a uma espécie de Lei de Moore, o cúmulo será atingido quando qualquer telemóvel ou hardware informático passar a pagar a taxa máxima prevista pela lei.
8- A quebra das vendas (e da receita) do João obrigou-o a diminuir ainda mais as suas despesas. Assim, o empregado a tempo inteiro foi substituído por um part-time. Depois, muitos dos seus clientes começaram a procurar espaços comerciais mais amplos, em que a oferta é maior e os descontos também maiores, uma vez que não é possível mexer na taxa.
9- No fim de um mês mais parado, o João fez as contas: para além da nova taxa, já havia pago, o IVA, o IRC, o IRS, a segurança social, a taxa de resíduos sólidos, a taxa de recursos hídricos, a taxa ambiental pelos sacos de plástico, a taxa bancária, a taxa de utilização do multibanco e do cartão de crédito, o IMI, o imposto automóvel, impostos de selo variados, o PEC, a Derrama, o imposto de combustível, os direitos de autor e até uma taxa de direito de passagem municipal. Isto sem contar com os seguros obrigatórios, os ordenados, as contas da luz, da água e das comunicações, a contabilidade, a actualização de software exigida pelas finanças, a renda do espaço e o leasing da carrinha da empresa.
10- Não é difícil de imaginar o que aconteceu ao João.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 14:51 | link do post | comentar

Publius Cornelius Tacitus
To ravage, to slaughter, to usurp under false titles, they call empire; and where they made a desert, they call it peace.
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

A síndrome socialista

Soltar os cães

Um argumento

Regressando

Um papel

A cartilha

Prometeu

Um ou dois milagres

Uma nomeação

Cresçam

arquivos

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Maio 2015

Abril 2015

Setembro 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

tags

anáfora

antonomásia

benevolentes

blanchett

bloco

cate

charme

dench

djisselbloem

eufemismo

eurogrupo

guerra

gwyneth

helen

jonathan

judi

littell

metáfora

mirren

paltrow

perífrase

porto

prosopeia

renda

sela

socialismo

twitter

ward

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds