Sexta-feira, 5 de Fevereiro de 2016

262587_283737655095411_512421832_n.jpgAlguém, certamente imbuído do espírito carnavalesco que se vive nesta época, propôs o nome de Donald Trump para Nobel da Paz. A justificação merecia um comentário, mas não é isso que importa para o momento até porque o mundo já consagrou Arafat, Obama, Jimmy Carter, Al Gore ou a União Europeia com este distinto galardão, sinais claros da decadência do prémio em si. Mas confesso que não deixo de rir.

A ferocidade pela atribuição de prémios para tudo e coisa nenhuma, elucida com primor o mundo de loucos em que vivemos. Há prémios para tudo o que se consiga imaginar, incluindo o que não se consegue. Não estar nomeado para nada, tornou-se a excepção e não a regra.

Com este caso não é muito diferente. Mas como todos sabemos que há aqui publicidade enganosa (foi apenas uma alminha anónima que o sugeriu), que ele não vai ganhar (não é da denominada esquerda caviar) e que o mundo continuará exactamente como está (depois de Arafat tudo é literalmente possível), também sabemos que Obama já ganhou o mesmo e que ninguém se riu, incluindo ele.

Sendo o que é, o Nobel da Paz vale mais pelo simbolismo do que pelo discurso de ocasião, estando cada vez mais parecido com o da literatura que com frequência nos brinda com ilustres anónimos que vêem as suas vendas disparar para números astronómicos devido, não a novos escritos, mas a novas encadernações. E a não ser que queiram ridicularizar definitivamente o assunto, Trump fica bem entre os potenciais nomeados: tem um discurso cómico, arrasta multidões e diz tudo o que pensa, mesmo que não pense grande coisa. No fundo, ninguém leva a sério: a ele e, por arrasto, o prémio.

Num ambiente orquestrado pelo politicamente correcto, note-se a ousadia de chamar para a festa o mais politicamente incorrecto dos seres que pululam no planeta. Talvez com um objectivo claro: tudo o que aparecer ao lado de Trump parecerá bem e talvez não faça notar a também inverossimilidade de certas figuras que por ali vão aterrar. Mas no fim das contas, este ano ninguém ganhará o prémio. É Donald que o vai perder. E nós, por solidariedade, também.



publicado por Bruno Miguel Macedo às 15:53 | link do post | comentar

Publius Cornelius Tacitus
To ravage, to slaughter, to usurp under false titles, they call empire; and where they made a desert, they call it peace.
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

A síndrome socialista

Soltar os cães

Um argumento

Regressando

Um papel

A cartilha

Prometeu

Um ou dois milagres

Uma nomeação

Cresçam

arquivos

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Maio 2015

Abril 2015

Setembro 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

tags

anáfora

antonomásia

benevolentes

blanchett

bloco

cate

charme

dench

djisselbloem

eufemismo

eurogrupo

guerra

gwyneth

helen

jonathan

judi

littell

metáfora

mirren

paltrow

perífrase

porto

prosopeia

renda

sela

socialismo

twitter

ward

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds