Sábado, 5 de Fevereiro de 2011

Da mente socialista saiu, a meio do Verão passado, a ideia luminosa de criar uma plataforma capaz de derrotar o PSD/Madeira e o seu governo. Vai daí o Dr. Serrão, ligeiramente inchado, decidiu convidar os restantes partidos da oposição e um número razoável de organizações independentes (?) para um diálogo franco e aberto sobre o futuro (?) da Região. Infelizmente, notícias entretanto avançadas disseram-nos que a maioria dos convidados decidiu dar falta de comparência a tão propalado evento, o que deixou o Dr. Serrão ligeiramente menos inchado e o Dr. Escórcio e o Dr. Pereira, os estrategas, a falar para o ar e para o vazio, como é habitual. Mas não querendo ser tomado por fraco, e um pouco farto de ser infamemente ignorado, o Dr. Serrão rapidamente redefiniu as suas baterias para uma outra coisa que denominou de Autonomia Aberta, um género de seminário concelhio que, julgo eu, terá como finalidade objectiva explicar ao próprio Dr. Serrão o que é a Autonomia e porque é que o PS/Madeira devia estar do lado dos madeirenses e não dos centralistas do Estado, por exemplo. Tudo isto aparentemente disfarçado de programa de governo que, esperemos, acabe com mais do que as duas páginas sofridas e ilegíveis do costume. Entretanto, e a meio do vexame que poucos ainda notaram, a plataforma antes de ser já era e a Autonomia dita aberta segue pelo mesmo tortuoso caminho. Ainda não satisfeito com o destino das suas estrepitosas ideias, o Dr. Serrão, que gosta de reciclar para mostrar boas práticas ambientais e aparecer infinitamente na comunicação social, voltou por estes dias à carga com a dita plataforma, talvez entusiasmado com resultados eleitorais que não foram obra dele, mas que lhe podem servir como proveito acrescido. Novamente, a ideia não colou e toda a oposição recusou, ainda que pouco sabiamente, a oferta. E porquê pouco sabiamente? Porque no meio desta originalidade insular promovida pelo líder socialista local, há uma reflexão simples que resume toda esta barafunda e que é, no mínimo, deliciosa: como forma de tentar evitar a sua mais do que provável extinção, o Dr. Serrão vê como única escapatória possível convidar as raposas para visitar o galinheiro. Boa estratégia.

Publicado no Jornal da Madeira de 29 de Janeiro de 2011


publicado por Bruno Miguel Macedo às 15:28 | link do post | comentar

Publius Cornelius Tacitus
To ravage, to slaughter, to usurp under false titles, they call empire; and where they made a desert, they call it peace.
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

Os incêndios que matam pe...

A síndrome socialista

Soltar os cães

Um argumento

Regressando

Um papel

A cartilha

Prometeu

Um ou dois milagres

Uma nomeação

arquivos

Outubro 2017

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Maio 2015

Abril 2015

Setembro 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

tags

anáfora

antonomásia

benevolentes

blanchett

bloco

cate

charme

dench

djisselbloem

eufemismo

eurogrupo

guerra

gwyneth

helen

jonathan

judi

littell

metáfora

mirren

paltrow

perífrase

porto

prosopeia

renda

sela

socialismo

twitter

ward

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds